14.2.11

10 dias após o regresso

Comecei este blog com o objectivo de documentar a minha experiência em nova iorque. uma pequena walnut - eu, a nogueira - na grande maçã - cidade que nunca conheci, mas muito, muito mais do que isso: novo trabalho, nova vida, viver sozinha pela primeira vez, novos amigos, sons e cheiros diferentes.

Comecei este blog com o objectivo de preservar a ligação a casa, como se fosse uma corda de segurança que me protegeria e não deixaria que me perdesse lá pelas terras longínquas, lá pelas américas, lá por aquela nova vida que pouco tinha da antiga. Não sei se o meu medo maior era de perder as pessoas ou de me perder a mim, de deixar de ser eu. Mas acho que é difícil separar os dois, tantas são as vezes em que somos o reflexo dos que nos rodeiam.

Por brincadeira, comecei este blog dizendo que assim não teria de escrever emails repetidos a contar a mesma história a diferentes pessoas. Comecei este blog para que quem quisesse, pudesse estar mais ou menos a par do que eu estava a viver.

Comecei este blog para de vez em quando olhar para trás e ver o tempo a passar nas imagens e nas palavras e sentir que cresci, que aprendi e que mesmo quando tinha dúvidas ou medos, tudo se resolveu. Ajudou ter um registo a que pudesse recorrer, que me ajudasse a lembrar de como foi chegar a um lugar que não tinha nada de meu, e como isso mudou tão drásticamente que não consigo sequer conceber a ideia de que já não estou lá.

Comecei este blog e acabo-o sabendo que ficou muita coisa por dizer. A frequência com que escrevia foi-se tornando inversamente porporcional à intensidade com que vivia fora dele, uma progressão que por vezes foi injustamente criticada, como se de uma obrigação e de um dever se tratasse.

Este blogue fez-me perceber que não são os blogues que aproximam as pessoas, nem as redes sociais. São úteis, são divertidos, mas no que toca às pessoas importantes, não se pode deixar que as relações sobrevivam à base de se dar uma espreitadela no que se escreveu e fazer um comentário. Não se pode por as relações em pausa durante oito meses, só porque eu ia escrevendo que estava tudo bem, e não telefonar a saber o que é que não foi escrito. É que a vida que acontece é a que não está escrita, mas a que se ouve ao telefone, a que se lê nos olhos e não num ecrã.

Vim dar um salto a Lisboa, mas parto para Berlim. Por graça lembrei-me que de repente a walnut and the apple poderia passar a ser the walnut and the wurst. Mas ponho a ideia de lado, e atrevo-me a experimentar uma distância mais real, mais sem corda, mas ainda assim transponível com um telefone,  um meio de informação não unidireccional como este.

4 comentários:

GuroZen disse...

Ohhhhhhhhhhh... e eu que gostava tanto do teu blog.
Luck in Berlim!
Beijinhos

Cris disse...

Adoro este texto que escreveste.

Ana Sofia Santos disse...

o tempo passa num instante. rapidinho mesmo.
Acho que todos gostávamos de saber como é aquilo láaaaaaaaaa ao longe.
ainda por cima de alguém que eu sei que existe :)

berlin também me parece bem. Passear ou nova aventura?

Maria Nogueira disse...

nova aventura!